segunda-feira , 26 outubro 2020

Bolha imobiliária é descartada pela Caixa Econômica federal

Depois de muitos comentários e matérias na web sobre a temida Bolha, a CEF resolveu tentar acalmar o mercado, Teotonio Rezende, diretor de habitação da Caixa deu entrevista ao site Yahoo, confira!
Depois de bater um novo recorde no ano de , atingindo R$ 134,9 bilhões em contratações, a Caixa Econômica Federal espera dar continuidade ao crescimento do crédito para esta categoria em 2014, quando espera encerrar o ano com crescimento entre 10% e 20%.
Para as perspectivas ainda são positivas. “Todos os dados e o comportamento do mercado nos dão a confiança de que o crédito continuará crescendo. Sendo o mais conservador possível, no ano de devemos ter um crescimento em torno de 10%”, estima Teotonio Rezende, diretor de habitação da Caixa.
O diretor de habitação comenta sobre um dos maiores temores do mercado: a possível bolha imobiliária. Para ele, não há sinais de que o segmento enfrente este risco, considerando que a situação econômica e social no Brasil se difere do que aconteceu nos Estados Unidos e que pode ser identificado também na Europa. A demanda ainda reprimida por novas moradias no Brasil ainda deve segurar este mercado aquecido nos próximos anos.
Em relação ao preços dos imóveis, ele acredita que o período de maior entusiasmo já passou e os preços devem permanecer mais próximo da estabilidade nos próximos anos. “Ainda temos um grande déficit habitacional no Brasil. Outro ponto é a relação do PIB (Produto Interno Bruto) e o crédito, que mostra que o Brasil ainda tem muito espaço para crescer”, afirma.
bolha-imobiliaria-verdade-mito
Rezende compara os indicadores imobiliários do Brasil e dos Estados Unidos para justificar sua opinião. A avaliação do crédito imobiliário, o LTV (Loan-to-Value), do Brasil está em torno de 70% da média nacional, com um montante de financiamentos contratados nessa modalidade representando cerca de 8% do PIB (Produto Interno Bruto). A expectativa é que os financiamentos imobiliários atinjam 10% do PIB até o ano de .
Nos Estados Unidos, em 2007, quase 1/3 dos imóveis novos financiados tinham LTV maior que 90%. Este tipo de financiamento representa em torno de 80% do PIB. “Não há risco de bolha imobiliário no Brasil. No nosso modelo de financiamento normalmente a pessoa vai para o prazo máximo de financiamento e acaba quitando o imóvel em um tempo muito menor”, completa.
Fonte: Yahoo

Efeito da Crise PT: preço de imóveis despenca nas grandes cidades

Se o PT planeja-se quebrar o país tão bem como estão conseguindo não se saiam tão bem, já que nem competência para planejar eles tem! De janeiro a julho, o preço dos imóveis já cai em quase 30% dos bairros de três regiões metropolitanas, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte -, segundo levantamento …

Bolha Imobiliária por Canal do Otário – Vídeo

Afinal, temos ou não temos uma Bolha Imobiliária no Brasil, muitos acham que temos, outras que temos mas não estoura, só murcha, veja o que acha o otário sobre o assunto. RELACIONADAS Confiança da construção cai 10,7% em abril O Índice de Confiança da Construção (ICST) registrou piora do ambiente de negócios do setor no …

Bolha Imobiliária: ações das construtoras estão na lona

Ações de construtoras sendo negociando nos níveis mais baixos dos últimos quatro anos. Mas não há alívio em vista, bolha estoura ou murcha? Fontes do setor dizem que fevereiro foi marcado por um “blecaute de repasses” da Caixa, o que deixou muitas empresas sem capital de giro. O primeiro trimestre deste ano, já fechado e …

Para comprar imóvel homem coloca filho de três anos à venda na internet

Sei que a crise por qui no Brasil está braba, mas parece que ainda não chegou a esse ponto. Um imigrante cazaque tentou vender na internet seu filho de 3 anos para comprar uma casa na Rússia, informou nesta segunda-feira (13/7) o Comitê de Investigação russo. Procedente do Cazaquistão, ex-república soviética da Ásia Central, este homem …

Download app Android, modelo 2021.

Sobre Redação UpLinkBr

Suporte do website UpLinkBr, envie seu email ou dívida para [email protected]